04 janeiro 2013

Sombras



As próximas eleições autárquicas serão as últimas em que votarei na minha terra natal. Por isso, estarei muito atento àquilo que entretanto irá suceder. Não escondo a minha tendência para votar à esquerda do espectro político. O meu voto foi, a grande maioria da vezes, para o PS, exceptuando a duas últimas eleições. Votarei PS nas próximas? Não me parece. Não escondo que gosto de alguns actores políticos do PS em Fafe, alguns com pouco protagonismo, como o Albino e o Pedro Valente e outros como Pompeu por quem tenho respeito intelectual e Laurentino que, reafirmo, me parecia a pessoa mais capacitada para «pegar» nos destinos autárquicos. Mas o PS está à deriva, depois da lutas fratícidas a que foi votado e da pálida imagem nas iniciativas camarárias. Nestas eleições, caso vote, não será no PS. Ficamo-nos, pois, pelo PSD e pela CDU.

Nas últimas eleições, reconheci-me na candidata da CDU em Fafe, tinha (e tem) características muito interessantes (seria muito útil na Câmara). Quanto ao PSD, sempre o olhei de soslaio, embora reconheça que tem alguma capacidade de mobilização, nomeadamente no «glamour» fafense. Neste panorama, Eugénio Marinho perfila-se como um sério candidato. Aliás, aprecio o seu estilo truculento, e incómodo. Contudo, «canja e caldos de galinha» nunca fizeram mal a ninguém. A esse propósito veja-se o destaque do Notícias de Fafe onde Eugénio Marinho afirma que o PS se quedará em 3º lugar. Era muito miúdo, mas lembro-me de Luís Marques Mendes, então com vinte e poucos anos, estar convencidíssimo da vitória nas autárquicas onde defrontou Parcídio. Levou com a maioria absoluta «em cima». Eugénio Marinho já tem mais experiência política, defronta um PS enfraquecido, mas prudência é o que se exige. Com tanta vontade, perdendo, com ou sem maioria, poderá representar o seu fim político, embora seja muito novo para isso! Mas, quando afirma premonitoriamente o 3º lugar para o PS, não afirma (pelo menos na primeira página) quem ficará em 2º. É aí que as sombras se adensam...

António Daniel

4 comentários:

Anónimo disse...

Parece-me prematuro o candidato Eugénio Marinho estar já em bicos de pés a alimentar um desaire do PS fafense quando sabe, melhor que ninguém, que nas últimas eleições o PSD conseguiu apenas 16% dos votos contra os 51% do PS.
Eugénio Marinho conseguiu ter Marques Mendes a seu lado como mandatário e isso é uma grande vitória mas há que manter os pés assentes na terra e não começar a estragar tudo com as suas intervenções.
Ainda vai correr muita água até às eleições e Eugénio Marinho sabe melhor que ninguém que, se o Passos Coelho ainda estiver no governo na altura das eleições, o PSD vai sofrer um abalo tremendo nas autárquicas, inclusive em Fafe.
Calma por isso...
Ainda aguardo com expectativa a posição dos Independentes de Fafe e, sobretudo, aguardo os candidatos a apresentar nas juntas dos respetivos partidos e da equipas à vereação.
E, o Dr Eugénio Marinho sabe muito bem que, nestes aspetos, o PS escolhe bem as pessoas nas freguesias e para a Câmara, mesmo com um candidato que não é tão carismático como o Dr Ribeiro, por norma tem gente que o acompanha que torna o PS com uma equipa na vereação muito forte.
E, sabe que o PSD tem apresentado um candidato e pouco mais...
Aguardemos com serenidade...
O PS criou confusão na escolha do candidato mas costuma ser muito hábil a gerir as campanhas e a escolher as pessoas.
Calma Dr Eugénio... Não relegue o PS já para 3º... peça uns conselhos aos seu mandatário e não seja na campanha aquilo que às vezes tanto o desprestigia no facebook... tenha mais cuidado com as suas intervenções...

Assinado
Um cidadão atento

albano disse...

Anda tanto alarido e ja se sabe que o ps volta a ganhar...nao s+o pela oposiçao ser fraca e nao querer esmiuçar ate á ultima os reais problemas de fafe mas tambem pelo partido no poder dar emprego a alguns(boys) perto das eleiçoes.
ja para nao falar desta campanha que o ps ja anda a fazer em jornais tv e radio a dizer que nao tem divida e que e a melhor camara do pais!!! e esperem pq antes das eleicoes ainda teremos a gestao de paquimetros e limpeza de edificios publicos de fafe a serem fornecidos pelo horto casimiro

Miguel Correia disse...

Caro Daniel até gosto do que aqui vai colocando, algumas intervenções são pertinentes, não obstante, quando se trata de política, o seu discurso é sempre, ou quase sempre “redondo”, cabe lá tudo, dá para si e dá para todos… escreve muito e não diz quase nada!
Senão vejamos, já votou no PS, reconheceu-se nas últimas eleições na CDU, sobre a qual agora escreve: “reconheci-me na candidata da CDU em Fafe, tinha (e tem) características muito interessantes (seria muito útil na Câmara) ”, lá está, o seu discurso redondo.
Que características são essas? Útil, em quê?
Presumo, que por desatenção, ou então por outro motivo qualquer, se esqueceu de referir no seu texto uma das importantes forças politicas em Fafe, os independentes por Fafe liderados pelos summavieis, que caso não se recorde, são a segunda força politica eleita na sua terra natal! E certamente terão uma palavra a dizer nestas eleições!
Termino dizendo que tem todo o direito à sua opção ideológica e a expressar livremente o seu pensamento, contudo, aprecia-se objetividade, é que dada a redundância da sua escrita, as “sombras se adensam” mesmo em relação à sua opinião.

António Daniel disse...

Miguel Correia, obrigado pelo seu comentário. Num local como este não dá para concretizar muito as ideias, mas se tiver pachorra, pode ler algumas opiniões aqui expressas por altura das últimas eleições. Quanto aos independentes, interprete a última frase do texto. Creio que é elucidativa, não? A minha posição é precisamente mostrar que Parcídio tem óbvias condições de vencer as próximas eleições. Já aqui neste blog escrevi sobre a lista de independentes, defendendo, inclusive, muitas das suas ideias, como serve de exemplo o corredor verde. Além disso, não me cabe defender x ou y, simplesmente dou a minha opinião. Se o discurso é redondo, só mostra que tenho, sinceramente, muitas dúvidas.
A candidata da CDU impressionou-me pela positiva. No debate de 2009, foi muito assertiva na forma como criticou José Ribeiro e apresentou algumas ideias muito interessantes. Não escondo que isto tem um grande pendor subjectivo, mas gosto da boa verbalização. Caso tenha disponibilidade, leia posts anteriores onde o afirmo e demonstro.
Mas quero agradecer-lhe ter-me posto à prova. Isso é a verdadeira democracia, consciencializarmo-nos que podemos estar errados. Cumprimentos.