04 Março 2011

Politiquices

O Grupo de Cidadãos Eleitores “Independentes por Fafe”apresentou para inclusão na ordem de trabalhos da Assembleia Municipal do passado dia 28 de Fevereiro, duas propostas.
Uma, surgida na sequência de uma proposta do Dr. Ribeiro Cardoso, deputado eleito pelo CDS-PP, procurava ver criada uma comissão de membros da Assembleia Municipal para discussão e aprovação de um regulamento municipal de toponímia e numeração de polícia.
A outra proposta, versando o Plano Director Municipal, estava dividida em duas questões:
- por um lado, solicitava a presença, na Assembleia Municipal, do Director do Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística para que este esclarecesse os motivos que justificam o atraso de quase uma década nos trabalhos de revisão do PDM;
- por outro lado, procurava fazer aprovar o agendamento de uma sessão de esclarecimento promovida, organizada e coordenada pelo Município, onde fossem explanados os objectivos, propósitos, critérios e linhas de orientação geral que têm estado na base de todo o trabalho de revisão do PDM já efectuado.
Ambas as propostas foram, obviamente, chumbadas! Até aqui, nada de novo… O PS, que detém a maioria na Assembleia, vota, consecutivamente (e desde que não esteja distraído…), contra as propostas dos Independentes, inviabilizando a sua aprovação.
O que constitui surpresa é o voto contra do PSD!
Dir-se-á que tinha as suas justificações. É um facto, já que as apresentou. O que se questiona é a sua validade. Ora vejamos:
- Votou contra a criação da comissão para a toponímia porque juridicamente a atribuição de nomes aos arruamentos é uma competência do Executivo Municipal, não cabendo à Assembleia pronunciar-se. Estranha-se, já que o artigo 1º do dito regulamento, frisava que a competência era do Município, ainda que tendo de obter parecer de uma comissão consultiva, composta por membros da Assembleia. De qualquer forma, estávamos apenas a propor a criação de uma comissão, à imagem de inúmeras outras entretanto constituídas para outros tantos assuntos da competência do executivo. Não percebo…
- Votou contra a proposta sobre o PDM porque considera que havendo um membro eleito pela Assembleia Municipal com assento na própria Comissão de Revisão (é um elemento do PSD – Engº Baptista), não considerava haver necessidade de discutir o que quer que fosse. Estranha-se, já que apenas se pretendia alargar uma discussão que, consensualmente, é de importância vital para todos os Fafenses. Não se percebe…
Ou melhor, percebe-se, e bem! São politiquices…
Há quem, de forma desinteressada, trabalhe e procure contribuir para o desenvolvimento do concelho. Outros há, que sujeitos a uma agenda política e procurando capitalizar vitórias de Pirro, se esforçam por encontrar motivos para justificar o injustificável.
Quem diria que um dia se formaria em Fafe um bloco central…

Miguel Summavielle

P.S. (Os textos das propostas estarão brevemente disponíveis em www.ipfafe.com)

21 comentários:

Anónimo disse...

Eu diria que quem se tem colado ao poder ultimamente são os independentes. Sinceramente votei no IPF e estou muito arrependido. Inúmeras vezes se mostram ao lado do PS... esperava mais dos IPF

Anónimo disse...

'Sumavieis...' desinteressados do poder????????? O que o Ribeiro faz aprendeu com quem? Quem persegue os cidadãos pela atribuição ou não das licenças? E, já agora, aprendeu com quem?

Alex disse...

À partida parecem 2 boas propostas e teria sido útil que fossem aprovadas.

A da toponímia, mesmo não sendo a Assembleia a ter a decisão final, tinha lógica que uma comissão se debruçasse sobre isso. Mal não faria.

A do PDM funcionava como um puxão de orelhas aos responsáveis camarários e eles fugiram a isso. Imagino que o PSD também se sinta co-responsável e por isso também tenha votado contra. Mas os cidadãos teriam ficado melhor servidos com as explicações que realmente lhes são devidas.

Quanto ao bloco central, espelha o que se passa a nível nacional...

Alex disse...

E a CDU? Desapareceu do mapa? Eles também têm um deputado eleito não é? Como é que foi o voto? (não vi nem aqui nem nos jornais locais desta semana como votaram).

Miguel Summavielle disse...

Alex,
A CDU, mantendo a coerência que se lhe conhece, votou a favor em ambas as propostas.
O CDS-PP, se bem me recordo, votou favoravelmente a proposta da toponímia e absteve-se no PDM.

Miguel Summavielle disse...

Caro anónimo das 9:08,
Fico triste por se sentir arrependido e posso até compreender a sua frustração, mas terá que concordar que nem sempre o PS está errado. A nossa missão, para isso nos elegeram, é lutar pela concretização das ideias que apresentámos no nosso programa eleitoral.
O PS apresentou um orçamento de contenção (não havia qualquer verba prevista para as PPP) e aceitou incluir 19 medidas que constam do nosso programa. Entendemos isso como um gesto de boa fé e cooperação, o que explica o nosso sentido de voto.
Caso não implemente as medidas que aceitou incluir no Orçamento de 2011, então decidiremos o que fazer. Não creio que devamos julgar por antecipação!

Miguel Summavielle disse...

Caro anónimo das 11:51,
Como imagina, apenas posso falar por mim.
Não tenho qualquer ambição política. Aceitei participar neste projecto porque acredito nas pessoas que o lideram e que nele estão envolvidas. Acredito que é possível fazer alguma coisa para mudar, para melhor, o nosso Concelho. Essa é a minha motivação.
De qualquer forma, eu, e todos os restantes elementos dos IP Fafe, possuem a sua vida profissional estabilizada e não estão à espera de “tachos”. Nenhum ganha um cêntimo com a sua actividade política e, acredite, sendo oposição, apenas arranjamos contrariedades.
Mas porque será que acho que já sabia tudo isto…

Anónimo disse...

As propostas são tão boas como as que os IPF vêm apresentando na Câmara.Isto é, não servem de nada, nem para nada.Tentam apenas fezer número político.A intervenção dos IPF tem sido tão incipiente como estas propostas.Uma comissão para os nomes das ruas.Não é uma proposta, é um gracejo, um bucejo e uma inutilidade.Faz lembrar as comissões de bairro da outra senhora.E a presença do Director do Departemento é, ridícula. O homem é um técnico, não é um político. Se querem andar de mão dada com o Zé Ribeiro andem...Não tentem desviar as atenções.

Anónimo disse...

Concordo inteiramente com o anonimo 10:45. As proposta dos IPF são mesmo para desviar a atenção a quem se quer colar ao poder. É triste como as pessoas enganam....

Anónimo disse...

Também eu fui daqueles que vi nos IPF uma outra solução. Talvez não uma solução alternativa.Mas outra. Neste momento, consideros os IPF, a mesma solução.Isto é, sem solução nenhuma. Quem subscreve um programa de trabalho como é Plano e Orçamento 2011 apresentado, não sendo capaz de apresentar uma proposta inovadora e nem serve para votar contra. Não é uma oposição, mas uma subposição ao poder. Esqueçam. Andam a brincar e com estratégias sem sentido. Quem votou nos IPF estará, certamente, na sua maioria desiludido. mas compreende-se.Quem cresce políticamente sendo poder, dificilmente consegue vingar como oposição. Lamento.

Anónimo disse...

Entre o Eugénio Marinho ou o Parcídio Summavielle continuo a preferir o Parcídio, sem dúvida.

Anónimo disse...

Não é comparável. São estilos e personalidades políticas muito diferentes. Agora, uma coisa é certa, não se compara a experiência política, profissional e empenho do Dr, Eugénio Marinho, com o do Parcídio Cabral. Alguém conhece alguma experência política, que não seja ser filho do ex-presidente, ao Dr. Parcídio Cabral...

Miguel Summavielle disse...

Caro anónimo das 10.45,
Propostas incipientes?
Para poder criticar deverá, pelo menos, conhecer os factos. Aconselho uma leitura do programa eleitoral dos IPFafe onde encontrará mais de 200 propostas para o Concelho.
As 19 propostas sugeridas pelos Vereadores Independentes tiveram em atenção a necessidade de não onerar a despesa Municipal. Nas situações em que tal não era possível, foram apresentadas propostas de redução de valor equivalente a aplicar em diversas rubricas.
Deixo algumas das propostas para que julguem a sua incipiência: concluir a revisão do PDM, construir uma ZI na Fonte da Poupa, dotar a Via Circular de passeios e zonas de atravessamento de peões, intervir na Pista de Cicloturismo, etc...
Quanto à presença do Eng. Helder, julgo que perceberá que estamos, ao fim de 10 anos, um pouco farto de desculpas. Era o momento de quem está encarregue da tarefa explicar, factualmente, os motivos do atraso.
Mas a proposta, como deverá ter lido (ou não…), previa que se discutissem as opções do Município sobre a revisão do PDM. Haverá algo mais incipiente do que isso?

Miguel Summavielle disse...

Caro anónimo das 7:21,
Não creio que nos possa acusar de estar colados ao poder.
Essa é a imagem que o PSD quer fazer passar, como se percebe na maioria dos comentários "anónimos".
O medo faz destas coisas...
Como explica que o PSD tenha estado a favor da proposta de criação da comissão de toponímia quando esta foi apresentada pelo CDS-PP e agora tenha votado contra uma proposta em tudo semelhante (ainda que mais completa) apenas porque foi apresentada pelos IP Fafe?
O único momento em que os IP Fafe estiveram em sintonia com o PS foi no orçamento e pelas razões que tive o cuidado de apresentar.
Relembro que o PSD, na Câmara, se absteve.

Miguel Summavielle disse...

Caro anónimo das 11:27,
Felizmente, mais de 1/3 da população de Fafe conhece o percurso pessoal do meu irmão. A votação foi clara!
Tenho ainda bem presente a “guerra” que se fazia em Fafe ao meu pai. O que se dizia e as acusações que lhe faziam. Como o Correio de Fafe era incisivo e corrosivo.
Curiosamente, só voltei a ver essa vontade de sangue dirigida ao meu irmão, ainda que ele nunca tenha sido poder.
Porque será?
Não me vou dar ao trabalho de discorrer sobre uma carreira de mais de 20 anos de trabalho impoluto, competente e, em muitas situações, gratuito.
Apelo apenas para a memória recente: a Landfound – Levantamentos Cadastrais, Lda, empresa de que é gerente, recebeu, em 2010, o galardão de PME Excelência.
Será que lhe atribuíram o galardão por ser filho do Dr. Parcídio Summavielle?
Não terá chegado o momento de respeitar as pessoas?

Anónimo disse...

Acho que o Parcidio não tem estofo de Presidente de Camara.
Espero que apareça uma alternativa cheios de PArcidios e PS e parques da cidade royal center basta...

Ja para não falar nos tachos tambem já são do tempo do Parcidio.

Acho que um presidente não deve ceder a vicios como foi o caso do PArcidio pai (raly), imaginamos que gostava de mulheres da noite o que seria ?

A escola do Ribeiro é a do PArcidio pai.

temos que evitar esta gente

Camarada Liberal disse...

Lutar contra moinhos de vento, compreendo que não seja fácil Eng. Miguel. Que o diga D. Quixote. Mas palavras e opiniões são só isso. Não leve tão a peito as criticas, venham elas de onde vierem. Os IPF tem tido uma estratégia de oposição inovadora ao longo deste mandato. Subscrever a política seguida pelo poder. Políticamente isso é assim quando, num órgão colegial se vota a favor. Assim, se assina o documento político, o orçamento.Por outro lado, foram eleitos como oposição e por isso avançam com propostas.Porém, os três exemplos que deu são efectivamente incipientes e sem sentido.Concluir a revisão do PDM, não é uma proposta é uma decorrência da lei. Paaseios na circuar são absolutamente discipiendos, sendo cert que nas zonas onde interessam estão feitos. A ZI de Fonte da Poupa, não faz sentido dentro de dez anos ou vinte, sendo certo que existe uma bem preto em Silvares e está vazia (tem duas empresas), e arranjos ou intervençoes na pista de ciclotorismo, são preocupações paroquianas que não resolvem problemas de fundo.Não leve a mal, ainda não apareceu alguem a falar sobre as soluções estratégicas para o concelho. Chega de dar ideias tipicas de adolescentes que não têm preocopações de dar "o pão" que o concelho precisa. Coisas de gente com contas para pagar....

Miguel Summavielle disse...

Caro "Camarada Liberal",
Não quero entrar em polémicas sem sentido, nem discutir opiniões pessoais sobre a validade das propostas apresentadas.
No entanto, e para se arvorar no direito de criticar a posição assumida pelos IP Fafe, deveria, pelo menos, ter o cuidado de conhecer as propostas apresentadas e o programa eleitoral que sujeitámos ao escrutínio.
Irá, seguramente, encontrar as tão desejadas medidas para dar o "pão" que o concelho precisa. Bem, pelo menos as que nós achamos necessárias!
Infelizmente, digo por mim, a população deste concelho preferiu eleger uma candidatura que nem programa apresentou. Escolheu não saber. Por isso, agora não podemos pedir contas sobre a concretização do que quer que seja…
De qualquer forma, deixe-me dizer-lhe que o voto favorável ao orçamento (já não sei bem em que é que isto está relacionado com o tema do meu escrito…) foi devidamente enquadrado, tendo os vereadores Independentes apresentado propostas alternativas, por exemplo, sobre a taxa de IMI, IRS e IRC a aplicar.
Da mesma forma, e com reflexo directo no orçamento, não concordámos com a integração do pessoal auxiliar das escolas nos quadros da autarquia. O compromisso, no entanto, já foi assumido pelo PS. Nada a fazer!
Nem concordamos com a concretização das PPP, mas este orçamento, e é bom que se diga, não inclui um cêntimo referente a estes projectos. Também neste caso, o PS já aprovou a sua realização. Nós, quando vier a votação, em consonância com o que fizemos no momento em que foram propostas, estaremos contra.
Se me permite, e usando o mesmo tom “liberal”, direi que é próprio do “adolescente" criticar sem conhecer os factos e sem pensar em como pagar a conta...

Camarada Liberal disse...

o conhecimento dos dossies não é requisito essencial para pôr a nu a inconsequência - no sentido de falta de efectividade e reflexo no rumo do concelho - das propostas do IPF. A prova de que os programas apresentados pelo IPF e PSD nas últimas, e nas anteriores, e anteriores, isto é, desde que o PS está no poder em Fafe, não despertaram interesse aos eleitores fafenses, é que estes preferiram votar em quem lhe bateu à porta na calada da noite, à sucapa, do que confiar na incerteza das propostas ou projectos que foram publicitados por esses partidos ou movimentos. E o eleitorado não é 60% cego, surdo e mudo. Nem o PS tem esse poder. E a maior prova que o projecto político apresentado pelos IPF é fácilmente superável, é de que o Dr. José Ribeiro, na sua timida visão política e das necessicidades do concelho, lá as enquadrou no seu pobre enredo, sem grande dificuldade. A ambição política dos IPF é tão idêntica à do poder de Fafe, que a vossa oposição deixou de ser alternativa e passou a ser acessória. Lamento mas continuo a achar que o trabalho da oposição não é andar no mesmo passo do poder. É ter a capacidade de andar, pelo menos, um passo à frente. E para isso é preciso é preciso ter uma visão madura de um futuro diferente e melhor. Não se deixar envolver na estratégia partidária daqueles que, no presente, estão no poder.

Miguel Summavielle disse...

Caro Camarada Liberal,
Como deve imaginar, não concordo, em absoluto, com o que diz.
No entanto, respeito a sua opinião.
Gostaria de agradecer a sua participação e a urbanidade demonstrada no segundo comentário.
Insisto, de qualquer maneira (acredito que compreenda a insistência), para que dê um "saltinho" a www.ipfafe.com e veja o nosso programa e a nossa actividade na Assembleia e Câmara.
Se fazemos publicar um boletim é porque a informação reportada pela imprensa local fica muito aquém do desejável. Mas isso são contas de outro rosário…

Anónimo disse...

Que moral!!!!ONDE ESTEVE O PARCÍDIO DURANTE ESTE TEMPO TODO??????????É ELEITO E SUSPENDE O MANDATO????