07 julho 2010

Teatro Cinema de Fafe


Uma cidade sem história é como um porto sem embarcações! A sua existência reduz-se ao momento, ao instante perene, em que o costume não se enraíza, a vontade não transborda e o marasmo mais tarde ou mais cedo começa a existir!
Não sou do tempo, em que os jovens como eu brincavam no Teatro Cinema de Fafe! Sentado na esplanada de um café, oiço histórias deliciosas dos mais velhos, retratando as pequenas travessuras que se realizavam naquele espaço emblemático, entre duas jogadas de futebol e os primeiros namoricos. Nos olhos desta gente vejo saudade, muita falta desse orgulho lusitano, espelhado na carência da obra que foi o ex-líbris da cidade. O cineteatro engalanava-se para assistir às peças teatrais, as senhoras ornavam-se dos seus melhores vestidos e os cavalheiros aprumavam o seu melhor fato, ali os amigos reviam-se, as experiências da vida circulavam, a História construía-se passo a passo, algures naquele local a alegria das pessoas, de forma mágica as preparava para uma semana de trabalho muito melhor!
Passados muitos anos, o Teatro Cinema reabriu! Sentado na esplanada de um café, vejo os olhos esfuziantes de contentamento dos mais velhos, ao constatarem que a sua pedra filosofal voltou a existir. Reparo nas lágrimas de alegria, nas vivências que se pretendem repetir, constato que os mais velhos passam mensagem aos mais novos. Que usufruam, que cuidem e que preservem este nobre espaço da cidade. Como ele está belo, monumental, esplêndido, por todos os seus poros respira-se cultura, história e contentamento! Obrigado Fafe! Obrigado às gentes que trabalharam nessa reconstrução, em cada pedra que recolocaram, cada material que utilizaram, foram escrevendo a gesta, compondo milhares de sorrisos aos Fafenses, com o vosso suor e dedicação, fizeram renascer das cinzas a menina dos nossos olhos!

João Castro

2 comentários:

Valdecy Alves disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João Castro disse...

o tempo vai passando mas o teatro cinema de Fafe continua a cobrir-nos de satisfação