10 março 2014

Erasmus em Fafe


A Câmara Municipal decidiu lançar um programa para melhor receber os alunos estrangeiros que estudam em Fafe. Desse programa constam visitas turísticas ao concelho e seus principais pontos turísticos, um "Kit Erasmus" com livros, bilhetes de cinema e espectáculos, provas de doces, etc.
Esta ideia de "receber bem" parece-me interessante mas as actividades e ideias que podem ser desenvolvidas não se esgota na actividade autárquica. O que Fafe, no seu todo, pode fazer para cativar cada vez mais alunos Erasmus? Era interessante debater este assunto no blog. Há muitos estudantes fafenses que já fizeram Erasmus, que viajaram por essa Europa fora, que têm conhecimento de causa. Partilhem experiências e dêem sugestões.
Vamos alargar este debate, falar do que realmente interessa a Fafe, ou seja, potencializar o que temos de bom, em vez de andarmos com disputas políticas no blog que, ao que me parece, pouco interessam ao cidadão comum.
Seria interessante ouvir a opinião da associação de estudantes do IESF, de alguns alunos e dos próprios fafenses. Um debate que urge fazer. Vamos a isso?

Pedro Fernandes

8 comentários:

PSD Fafe disse...

Eu que tb fui estudante Erasmus, pela experiência q tive há mais de 20 anos, sem euros nem tlms e portanto, necessáriamente diferente, foi extremamente importante a existência de um Tutor na Universidade, nomeadamente na "1ª ajuda" com alojamento, transportes e toda a restante componente "logística". É, pois, minha opinião que a Escola tem um papel relevante nesta componente. De qq forma, a acção da Câmara é mais que meritória e por isso estão de Parabéns!!!!

PSD Fafe disse...

Não sei porquê mas publico em nome do PSD Fafe!!! Nada disso é mm Pedro Gonçalves

Ricardo Gonçalves disse...

Antes de mais, na minha opinião, tem de se melhorar as ferramentas de comunicação.
Qualquer estudante que se proponha a fazer Erasmus e que se queira informar acerca de Fafe vai mudar de opinião porque os sítios oficiais são aterradores. Nem sequer são bem utilizadas as magníficas fotografias do Manuel Meira.
A sugestão do Pedro é muito interessante, de facto, embora eu não saiba se esse trabalho não existe (ou algo parecido).
Depois seria importante colocar uma agenda de acontecimentos (sempre actualizada) porque nesse campo existe uma excelente oferta.
Podem não ser factores decisivos mas serão, penso eu, uma boa ajuda.

Anónimo disse...

Faz falta pensar a cidade em si e a sua animação.
Os estudantes querem cultura mas também festa e bons locais para se divertirem.
Querem diversidade, coisa que em Fafe não existe.
Fafe só poderá ser uma cidade erasmus se estiver disposta a renovar o centro urbano, alargando a oferta de espaços de convívio. É urgente revitalizar esta área.

Um estudante sem carro não vai deslocar-se muito.
Eu obrigava todos os bares fora do centro a fechar à meia noite todos os dias. Isso ia obriga-los a procurar outro espaço no centro a médio prazo.
No centro tem que residir a animação, a cultura e tudo o que isso envolve.

Uma cidade pequena com tantos espaços longe de si não vai ganhar mt coisa com estudantes.

Anónimo disse...

Maior interligação do IESF com os demais serviços institucionais fafenses.
De que forma?
Proporcionar bolsas de voluntariado aos alunos Erasmus em associações sociais fafenses;
Proporcionar aulas de Língua Portuguesa aos alunos erasmus;
Fazer com que os estudantes do IESF tenham todos aprendizagem na lingua inglesa;
Descontos na piscina, ginasios, karting, serviços turisticos, etc, uma vez que estes alunos não têm assim tanto dinheiro a não ser aqueles que têm acesso a bolsas generosas;
interligação com outras associações academicas (do minho p exemplo) que ja tem serviços de apoio a alunos erasmus.
falta fazer tudo ou quase tudo.

Ricardo Gonçalves disse...

O que o anónimo das 4.05 da tarde diz tem toda a razão: tratar a nossa língua como um importante activo. Algo que não fazemos, infelizmente. Excelente sugestão.

Anónimo disse...

Todos os estudantes Erasmus têm a possibilidade de se inscreverem num curso de Iniciação à Língua Portuguesa, com a duração de 100 horas, devidamente creditado com 4 ECTS.
Ainda que este curso de LP não faça parte dos seus planos de estudos oficiais, seja da Escola de Educação seja da Escola de Tecnologias, todos os alunos que nos visitaram nos últimos 3 anos frequentaram, de forma gratuita, o curso de Língua Portuguesa, maioritariamente com sucesso.

Anónimo disse...

A faculdade nova de Lisboa tem um manual de 23 páginas de um manual de apoio ao aluno erasmus, tal como outras. podem consultar aqui: http://www.fcsh.unl.pt/aluno-internacional/erasmus-student/documentos/manual-de-apoio-aluno-erasmus_20130708

A Utad tem inumeros documentos acerca dos alunos erasmus http://www.utad.pt/vPT/Area2/OutrasUnidades/GabineteRelacoesInternacionaisMobilidade/Programas/Erasmus/Paginas/erasmus.aspx

muitas das coisas já estão feitas.
Não gosto deste plano da camara de fafe, demasiado simplista, pouco abrangente e sem qualquer ligação com a universidade.

Ok, não havia nada e agora há. Ainda bem mas ainda é pouco.

Se hoje Fafe recebe 15 estudantes Esrasmus, se amanha receber 10 é pior e é um mau sinal.

Se todos trabalharem em conjunto, se ouvirem os estudantes e se melhorarem a cidade, em vez de 15, amanha serão 20, depois 30, quem sabe daqui a alguns anos 50... ou 100 a consumir em Fafe, a sair em Fafe a gastar dinheiro em Fafe...

O que tem a dizer os eramus de Fafe? Só o Pedro Gonçalves é que da a sua visão das coisas?