30 agosto 2013

Pedra no Sapato

A vantagem de se estar longe de Fafe é ter a independência suficiente para escrever sobre as eleições autárquicas sem hipotecar um lugar na câmara, num colégio ou num escritório de advogados. Muitos não podem dizer o mesmo e por isso é que andam a abanar a bandeira a favor deste ou daquele por promessas futuras ou imposições do presente profissional. Porque, infelizmente, em Fafe, o mérito ainda não está à frente da "cunha" e as ideias políticas facilmente se confundem com questões pessoais. Mas talvez deixe este assunto para outra altura…
Voltando ao título do texto... pedras no sapato… quem as não tem?!
Raul Cunha herdou a “pedra” Antero Barbosa, depois de um conflito interno dentro do PS. Não sei quem teve razão ou deixou de ter. O que me parece óbvio é que Raul Cunha é uma terceira escolha. Nem sequer me interessa se ele é do Toural ou da Granja. Dizem que é um bom profissional e foi um bom vereador na área social. Será assim tão bom na gestão do urbanismo ou no investimento público? Com Antero, o PS venceria com maior ou menor facilidade. Assim, arrisca-se a perder a maioria absoluta.
Eugénio Marinho tem a “pedra” chamada Vítor Silva. O delfim e número dois do candidato do PSD mudou-se para a lista de Parcídio. O PSD perde um homem conhecedor da realidade interna do partido e dá trunfos importantes ao rival. Apesar dos contributos de Marques Mendes e de uma lista renovada, parece-me que será difícil o PSD ficar acima do 3º lugar nas opções de votos dos fafenses. Passos Coelho também não ajuda nada…
Parcídio Summavielle perde Cláudia Carvalho que sempre o apoiou e deixa Leonel Castro, habitual delfim, num lugar não elegível para a vereação mas coloca a máquina de Fornelos a olear para si - Vitor Silva e, principalmente, Rosa Pinheiro. 
A dama de ferro de Fornelos, como já li por aí algures, é uma líder e não é mulher habituada a receber ordens. Apesar da mesma não ser, formalmente, já a diretora do colégio, toda a gente sabe que é ela quem manda! E dentro do executivo certamente que vai ser por causa dela que Parcídio começará a ter problemas. Já agora, será ela a vereadora da educação se Parcídio vencer? Irá gerir as escolas públicas concelhias quando é ela que manda na escola particular de Fornelos? Que interesses estão por detrás disto? Rosa Pinheiro é útil a Parcídio para as eleições mas para o executivo vai ser um problema, se ganhar, o que não acredito. Outra “pedra no sapato”.
Perdoem-me Leonor Castro e Deolinda Nogueira. Não as conheço suficientemente bem para opinar sobre as mesmas, nem sobre a sua equipa. Têm a minha simpatia por irem a votos num combate tão desigual e num concelho que lhes é politicamente desfavorável.
Obviamente que estas opiniões são mais fáceis de ter quando se está fora, sem necessitar de um lugar em Fafe aqui ou acolá para “ganhar a vida”. Se necessitasse de um “tacho”, estava era caladinho, como muitos que eu cá sei…

Rui Silva

16 comentários:

Anónimo disse...

Pela primeira vez li uma análise séria e isenta neste e outros meios de comunicação. È a mais correta análise da situação politica do nosso concelho. Algo que faltava dizer...sem estar "virada" para algum dos "lados".Se por um lado o P.S. teve a sus pedra, o P.S.D. continua a ter,e muitas, com quem rodeia o candidato. Os independentes, que são a mistura de muitos elementos de partidos politicos, portanto deixaram de ser militantes para serem independentes (de nome) também camuflaram a saida da Dra Claudia Carvalho, que quanto a mim foi um erro, porque ela foi a única oposição do P.S. ao longo de 4 anos. Não tenho dúvidas da vitória do P.S., como da perda da maioria e do 3º lugar do P.S.D.. Já agora deixo um palpite quanto a mandatos: PS=4 ; IPF=3; P.S.D.=2. Ismael Ribeiro

Anónimo disse...

Não concordo com a avaliação feita. Penso que o PS não ganha, pois depois de todos os problemas que ocorreram no PS e com um candidato que não é Fafense, as pessoas jamais elegerão este partido. Penso que a luta será entre Independentes e PSD. Quanto ao numero de mandatos a meu ver serão, 3+3+3.

Anónimo disse...

A democracia sofre de dois males:

1 - É uma democracia partidária

2 - Toda a gente (e os que nem gente às vezes parecem) tem direito a voto.

Alexandre Fernandes

Anónimo disse...

P PS já perdeu estas eleições e será relegado para 3º lugar. Só quem não anda na rua e ouve o povo é que diz o contrário. O pior surdo é aquele que não quer ouvir...

Luís disse...

O autor do texto tocou num ponto interessante que tem andado afastado da campanha mas parece que ninguém se pronuncia. Rosa Pinheiro está na lista para a câmara do Parcídio, tem o filho para presidente da junta de Fornelos, professores do colégio candidatos a outras freguesias, sempre com Parcídio...
Há coincidências interessantes...
E prepara-se para lançar a mão na educação do concelho. Isto começa a não cheirar muito bem.

Anónimo disse...

Não concordo com esta análise o PS fica em terceiro. Ou ganham os Independentes ou o PSD.O PSD na minha opinião está a ganhar muitos pontos. É único que anda no terreno que ouve o povo desde norte a sul. Os independentes perdem pela lista que têm, más escolhas, desde Vitor Silva e Rosa Pinheiro, duas pessoas sem grande valor político. Na minha opinião ficará 3+3+3.
CLÁUDIA MARTINS

Anónimo disse...

Subestimar o PS num concelho socialista, ainda para mais colocá-lo em 3º, é perigoso. o síndrome Passos Coelho e da direita vão afetar a campanha de Eugénio Marinho.
Os independentes deram um tiro no pé com Rosa Pinheiro.

Anónimo disse...

Na minha opinião o P.S. saiu fragilizado, penso que os pilares estremeceram, mas mantém-se como a grande força destas eleições, apesar de que, na minha modesta opinião, perderão a maioria absoluta.(Com Antero Barbosa nem se discutia a perda da maioria absoluta!) Os IPF deram muitos tiros nos pés! A troca constante de candidatos (2ºe 3º)que acompanham o Parcidio, não abonou a favor da lista independente, apesar de sair valorizada com a entrada de Rosa Pinheiro, que é um exemplo de bem trabalhar em Fafe. O PSD "bebe" demasiado optimismo, mas o que é certo é que a força do candidato merecia ao lado pessoas de valor reconhecido. A ida de Vitor Silva para os independentes foi sinal claro de uma fraca aposta "noutros" candidatos a vereadores. Outro facto para recuperarem votos são a desunião com o CDS que garante 900 votos, no mínimo, e já não podem contar com eles.

Olhemos os números das últimas eleições: P.S.: 16.946 votos; IPF: 8.767 votos; PSD/CDS: 5.538 votos;PCP: 1.035; Nulos+Brancos: 983 votos.

Digam-me como o P.S. poderá perder, sensivelmente, 9000 votos? poderá perder 1000 a 2000, tendo em conta a perda de força e o factor emigração recair mais para os socialistas? Não sabemos...apenas sabemos que é muito voto, muitos números!

Depois reparem: nunca, nem nas últimas legislativas, com a descrença em Sócrates, o PS perdeu em Fafe.

Atentem na relação das eleições autárquicas em Fafe, em 2005:

PS 15989
PPD/PSD 6923
CDU 4394
PCP-PEV 2248
CDS-PP 1049
B.E. 292
PSN 72
De 2005 para 2009:

Da análise notamos que o PS subiu, o PSD desceu (mesmo oligado com o CDS), o Parcidio, que foi pela CDU, em 2005, subiu significativamente.

Numa análise aos resultados vemos a proveniencia dos votos dos IPF: do PSD. Talvez pelos democratas saberem que não são alternativa e preferem aliarem-se aos IPF, que ganham mais força que o PSD.

Deste modo podemos dizer que se o PSD subir nas intenções de voto retiram votos aos IPF e nunca ao PS. Ou o PSD mantém a mesma votação, ou muitos votos "voltam" aos PSD.

Em cenário impensável será o PS perder as eleições, mas sim a maioria ablsoluta.

Tendo em conta que cerca de 3000 votos elegem um vereador, o meu palpite é o seguinte:

PS: 4 mandatos
IPF:3 mandatos
PSD: 2 mandatos

A. Soares

Anónimo disse...

Os cães ladram a caravana passa e no final o PS continua com maioria absoluta!

ZEE disse...

Não tinha ainda percebido essa nuance de "Fornelos"... deixa-me deveras preocupado...
O principal problema continua a ser aquele que até o Cavaco Silva achou que deveria ser lembrado: "dentro dos partidos, os maus elementos afastam os bons... que se recusam a usar a mesma baixaria para lutar!"
Para além dos outros candidatos conheço a Deolinda e a Leonor... e tenho-as como pessoas sérias e empenhadas... gostaria de ver qq uma delas... ou as 2 em lugar de destaque...
O problema delas é o "arrasto" que trazem... A velha guarda do CDS... e a velha guarda do PCP... espero que se alguma for eleita saiba afastar-se dos "comezinhos" partidários e fazer o que é preciso para a cidade...

Anónimo disse...

Uma análise sensata, concorde-se ou não com ela.
Parcídio é o melhor homem para presidente da câmara mas tem uma equipa a seu lado que não inspira confiança.
Eugénio Marinho é um bom advogado mas como político é fraco ao deixar-se ser comido por um Vitinho qualquer.
Raul Cunha é o homem da saúde mas como político é zero! Tem a sorte do ter a máquina do ps a trabalhar por ele.
Tenho pena que Parcídio não tenha arranjado equipa melhor. Em vez do Vitinho e da Rosinha, se tivesse escolhido para a vereação o prof. Jaime Silva ou o José Manuel Domingues, estava ganho!
E se Parcídio tivesse posto em numero um dos independentes o Antero Barbosa e ele ficava em 2º, os independentes ganhavam isto!
Vai sem mais do mesmo e o meu voto vai em branco!!

Anónimo disse...

anónimo das 12.37, só me apetece dizer LOL, o Parcídio andou a "inventar" um partido para poder tentar ser presidente da câmara e agora ia entrega-la ao Antero ?!?!
Quando votamos não escolhemos 1, escolhemos uma equipa e podemos ter boas opções individuais mas equipa só temos a do PS.

Anónimo disse...

Os independentes de independentes não têm nada.A lista dá mesmo para ver isso. Na minha opinião perderam e muito com isso. O PS não traz nada de novo e está todo partido. O PSD na minha opinião apresenta uma boa lista, gente do povo, sem dependência política. Talvez vote nele. Em 2009 votei nos IPF e sinceramente arrenpendi-me, uma desilusão, andaram o mandato todo colado ao PS.

José Teixeira

Unknown disse...

Análise interessante às "pedras nos sapatos" dos candidatos principais (chamemos-lhe assim).
Embora aos meus olhos existam mais pedras e não considere algumas das citadas como obstáculos.
No lado do PS, os obstáculos criados pela escolha do candidato e o facto de não ser de Fafe, de facto, não ajudaram em nada.
Por outro lado apresentam uma equipa com caras conhecidas (inclusivamente o cabeça de lista), com experiência autárquica e com a história eleitoral do lado desta lista.
No PSD, considero a maior "pedra" o trauma das eleições de 2009 (ainda para mais não conseguindo trazer o CDS para o seu lado).
A candidatura tem estado muito na rua, comunicando muito bem, passando o ponto de vista do candidato sobre aquilo ou aqueles que visita.
Quanto aos independentes, estes demoraram a entrar na corrida e quando o fizeram a lista trouxe surpresas (nem todas agradáveis, como sejam a colocação de Vitor Silva como nº 2!!!).
A seu favor o carisma do Parcídio (principalmente entre as camadas mais jovens) e a mais-valia que, em minha opinião, a D Rosa Pinheiro poderá representar.
No CDS e na CDU, as candidatas "correm por fora" mas poderão fazer a sua campanha e ajudar (ou prejudicar) outras candidaturas.
De lamentar o facto de não se conhecerem quaisquer documentos programáticos (eu, pelo menos, não tive acesso a eles). A corrigir, espero eu!!!!

Anónimo disse...

depois da monarquia Summavielle, temos a monarquia Pinheiro.
viva fafe

a culpa disto é do ribeiro. se o exelentissimo dr tivesse enchido mais os cofres de fornelos, estava agora a matriarca na lista do ps.
viva fafe

melhor faz o marques mendes. vende a quinta, passa-se a andar de fafe e ainda enche os cofres dos pasteleiros com fundos comunitários.
viva Fafe

eleições? não me façam rir! nem la ponho os pés! se puser, o meu voto sai em branco!
cambada de interesseiros que não se interessam minimamente pelo bem público e por isso é que Portugal está como está e fafe idem.

Luís disse...


http://www.publico.pt/sociedade/noticia/crato-anuncia-que-estado-vai-apoiar-directamente-alunos-dos-colegios-1604999


É uma notícia sobre o diploma que revê o Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo. Uma das novidades é que, com as novas regras, “o Estado não se restringe a apoiar turmas, como existe neste momento com os contratos de associação, mas também apoia alunos, explicou o ministro da Educação Nuno Crato.

A isto se chama transferir recursos das escolas públicas para as privadas.

O que é que isto tem a ver com Fafe?
Nada... ou tudo!!!

Expliquem-me lá o que defende Parcídio. Que tipo de escola? Que educação? Está a favor desta medida liberalista?

Não haverá aqui conflito de interesses em ter uma directora de um colégio privado numa lista para defender a escola pública em Fafe.

Crato deu uma ajudinha ao colégio de Fornelos e outros que tais, mas mais uma machadada na escola pública.
Parcídio não sei o que defende mas sei o que defende Rosa Pinheiro.

E como contribuinte sinto-me pouco esclarecido. Não ponho em causa a competência de Rosa Pinheiro mas aguardo um esclarecimento de Parcídio sobre esta questão.

Parcídio e Rosa Pinheiro estão em perfeita sintonia na área da educação? Se sim, é um problema. Se não estão em sintonia, temos outro problema.

Porquê?
O SIM...
Rosa Pinheiro defende um modelo neoliberal de educação. A educação é paga pelos encarregados de educação, ou seja, só uma classe média/média-alta tem acesso ao colégio. E obviamente que irá fazer todos os esforços para aumentar alunos no colégio, mesmo que isso ponha em causa o serviço publico de educação em Fafe. Todos sabemos que os alunos nos privados têm diminuído...

O NÂO...
E se Parcídio não concordar com isto, estamos perante um problema político nos independentes. O que pensa Parcídio ou mesmo Vitor Silva sobre isto? Lá está... não há uma linha política nos independentes claramente definida.

Onde está Miguel Summavielle quando precisamos dele para nos esclarecer esta questão?